Adolescentes “merecedores”, como amenizar os conflitos

SIDNEIA PERES DE FREITAS – PSICÓLOGA

A adolescência é uma etapa particularmente difícil, marcada por mudanças intensas, tanto físicas quanto psicológicas e está relacionada com a formação da identidade do indivíduo.

Nesse contexto, é perceptível notar que a educação contemporânea tem ocasionado o surgimento de adolescentes e jovens adultos que se acham “merecedores”. Observamos, na maioria das vezes, características nesses grupos como extrema dificuldade em aceitar críticas e lidar com contrariedades, problemas de adaptação, dificuldades no relacionamento interpessoal, problemas em aceitar tarefas que não consideram à sua altura, entre outras.

Essa postura, em grande parte, está relacionada com a educação que receberam durante a infância e o esforço exagerado dos pais em criar adultos livres de traumas. O incansável desdobramento para garantir o sucesso no futuro dos filhos gerou um excesso de autoestima, de que são merecedores das melhores opções, de que podem alcançar qualquer objeto de desejo. Essa confiança associada a comportamentos narcisistas geram problemas de toda ordem.

Nesse contexto, os pais se encontram em uma posição desvantajosa para buscar dentro de si os parâmetros para a discussão sobre a delimitação dos espaços de liberdade, horários e permissões em geral e isso se torna uma grande fonte de embates entre pais e filhos.

A importância da presença e atuação dos pais na vida de um filho vai muito além de cuidar da saúde e alimentação. É orientar, transmitir informações, brincar, responder às perguntas questionadoras, corrigir atitudes que demonstram traços de personalidade quando percebidos no dia a dia, conduzir a criança/adolescente a perceber a necessidade de saber esperar, dizer NÃO. Dessa maneira, os filhos absorverão valores, esses considerados meio “antiquados” nos dias de hoje, porém tão importantes.

Conduzir com firmeza a construção desses espaços, saber ouvir, dar esse suporte emocional com sabedoria e empatia, acolher as necessidades de toda ordem, proporcionar momentos agradáveis no âmbito familiar… Tudo isso não é fácil, porém significa amenizar os conflitos dessa fase tão singular da vida, tanto para os adolescentes quanto para os pais.

Posts Relacionados

No Comments Yet.

leave a comment