Neuropsicologia

Neuropsicologia



A Neuropsicologia é uma interface entre Psicologia e Neurologia e estuda as relações entre o cérebro e o comportamento humano. Sua principal área de atuação é na compreensão de como lesões, malformações ou alterações genéticas que afete o sistema nervoso causam déficits (alterações) em diversas áreas do comportamento e do aprendizado humano.

Uma avaliação neuropsicológica tem como objetivo principal analisar as funções cognitivas, correlacionando distúrbios do comportamento com possíveis alterações de áreas cerebrais. Para isso, as principais funções testadas são:

  • Memória
  • Atenção
  • Habilidades linguísticas
  • Raciocínio lógico
  • Conceitualização
  • Funções executivas

  • Praxia construtiva
  • Personalidade
  • Eficiência intelectual
  • Função visomotora
  • Funções visuais simples e complexas
  • Processos de aprendizagem

Pode ser feita inicialmente com uma entrevista com o paciente e com a família para a elaboração da anamnese, aplicação dos testes selecionados para o caso, correção, elaboração do laudo e devolutiva ao paciente e à família, sendo que esse processo pode variar de quatro a 10 sessões.

O resultado da avaliação auxilia o médico solicitante ou a escola a definir um diagnóstico diferencial, investigar comprometimentos cognitivos, verificar o prognóstico, definindo com mais clareza a conduta medicamentosa ou a intervenção clínica, obtendo, desta forma orientação e planejamento com relação ao tratamento.

Reabilitação Cognitiva

A Reabilitação Cognitiva tem como objetivo auxiliar pessoas com déficits cognitivos e alterações comportamentais na recuperação ou compensação das dificuldades, para um melhor funcionamento nas atividades de vida diária e consequentemente melhorar a qualidade de vida. É indicada em quadros neurológicos, como doença de Alzheimer e outras demências, em transtornos psiquiátricos, como transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), depressão recorrente, dependência química e outras compulsões. Esses pacientes podem ter benefícios com a reabilitação através de intervenções que lhes ofereçam capacidade de autonomia e independência funcional no maior nível possível.

Os programas de reabilitação são individualizados e o tratamento consiste em treinar o paciente para desenvolver e aprimorar a capacidade de cognição e raciocínio, por meio de atividades e exercícios que estimulem sua motivação para a resolução de problemas.

A duração do tratamento e a frequência das sessões de reabilitação dependem da natureza e intensidade dos déficits apresentados.